top of page

Desvendando os Segredos da Morfopsicologia: A Arte de Ler o Rosto

Atualizado: 19 de abr.

O rosto humano é uma tela rica em detalhes, expressões e nuances que muitas vezes refletem aspectos profundos da personalidade e do caráter de uma pessoa. Desde tempos antigos, diferentes culturas têm explorado a possibilidade de interpretar esses traços faciais como indicadores de traços de personalidade, habilidades e até mesmo destinos futuros. Uma das práticas mais fascinantes que se desenvolveu nesse campo é a morfopsicologia.


O que é Morfopsicologia?

A morfopsicologia é uma disciplina que busca analisar e interpretar as características físicas do rosto humano como reflexo da personalidade, temperamento e características psicológicas de um indivíduo. Ela parte do princípio de que as características físicas do rosto estão diretamente ligadas aos traços de personalidade e comportamento da pessoa.

Por meio do rosto, conseguimos “ler” quais são as motivações pessoais de cada um, como pensamos, como lidamos com os nossos sentimentos e agimos. Cada traço facial, linha de expressão e marca na pele falam sobre nossa personalidade, sobre cada sorriso dado, emoções e dores vividas.

Segundo Hipócrates: “A personalidade se manifesta fisicamente”.

Isso acontece porque o nosso rosto, bem como os músculos que estão por debaixo da pele estão diretamente ligados ao nosso cérebro e recebem todo o estímulo das emoções em menos de um quinto de segundo.

É praticamente impossível controlar uma emoção. E o excesso de movimentos nos músculos faciais através das emoções que sentimos ao longo da vida vão deixando marcas em nosso rosto.


História e Desenvolvimento

A morfopsicologia tem suas raízes em tradições antigas, como a leitura do rosto praticada na China e na Índia há milhares de anos.

Darwin, em 1862, já falava que as expressões emocionais são inatas e universais.

No entanto, foi no século XIX que a morfopsicologia começou a se desenvolver como uma disciplina mais formal, com o trabalho do médico francês Louis Corman (considerado o pai da morfopsicologia), que estudou a relação entre as características faciais e a psique humana.

Nos anos 1960, Dr. Paul Ekman, através de pesquisa de campo, validou e catalogou 6 emoções básicas e inatas como expressões faciais universais: alegria, tristeza, raiva, nojo, medo e surpresa. O indivíduo, ao entrar em contato com uma dessas emoções, vai movimentar músculos na face. Mais tarde, ele catalogou a sétima expressão facial “adquirida” de acordo com o ambiente que o ser humano está inserido, que é o desprezo

Desde então, a morfopsicologia tem sido estudada e aplicada em diversas áreas, incluindo psicologia, recrutamento, terapia, marketing e vendas e até mesmo na consultoria de imagem para promover uma entrega mais refinada e aprofundada.


7 imagens de um homem de pele clara e cabelo castanho, cada uma representando um microexpressao facial: alegria, tristeza, desprezo, nojo, medo, espanto


Como funciona?

A análise morfopsicológica envolve a observação e interpretação de uma série de características faciais, incluindo a forma do rosto, as proporções do nariz, olhos, boca, queixo, entre outros elementos. Cada traço é associado a diferentes traços de personalidade e comportamentais, e a combinação desses traços pode fornecer insights valiosos sobre a psique de uma pessoa.

Por exemplo, um queixo proeminente pode ser associado à determinação e força de vontade, enquanto lábios carnudos podem indicar sensualidade e sociabilidade. Da mesma forma, sobrancelhas grossas podem ser um sinal de assertividade e liderança.


Aplicações práticas

Embora a morfopsicologia seja frequentemente vista como uma pseudociência por alguns, muitos profissionais a utilizam como uma ferramenta complementar em diversas áreas. Na psicologia, por exemplo, pode ser útil para ajudar a compreender melhor os pacientes e adaptar as abordagens terapêuticas de acordo com suas características individuais.

No campo do recrutamento e seleção, a análise morfopsicológica pode fornecer insights valiosos sobre os candidatos, ajudando os recrutadores a identificar características que são importantes para determinadas funções ou culturas organizacionais.

Assim como na consultoria de imagem, ter esse entendimento ajuda a comunicar através do visual esses traços comportamentais. Como por exemplo, uma pessoa mais introspectiva e insegura vai se identificar com cores de roupas mais sóbrias, estruturadas e que não chame muita atenção. Assim como pessoas extrovertidas e sociáveis não vão se identificar visualmente com roupas mais discretas e sóbrias. Essa sociabilidade e expansividade aplicada à roupa permite que trabalhemos com mistura de cores e estampas, volumes, texturas, bem como mistura de estilos completamente diferentes como por exemplo um vestido delicado de renda e um coturno preto tratorado.


consultora de pele clara, cabelo castanho e curto na altura do ombro utilizando o paquímetro para medir o rosto da cliente que está com o rosto voltado para o espelho e tem pele clara, cabelo louro e comprido


Considerações finais

A morfopsicologia é uma disciplina fascinante que nos lembra da complexidade e da riqueza da natureza humana. Embora não seja uma ciência exata, pode oferecer perspectivas interessantes e úteis quando usada com sabedoria e cautela.

Ao explorar os segredos do rosto humano, podemos aprender muito sobre nós mesmos e sobre os outros, abrindo novas portas para o autoconhecimento, compreensão interpessoal e desenvolvimento pessoal. Afinal, como diz o ditado, "os olhos são a janela da alma" - e a morfopsicologia nos convida a espiar através dessa janela e descobrir os mistérios que residem dentro de cada um de nós.





Σχόλια


bottom of page